Glicopan PET nos cabelos, pode?

Sucesso entre as blogueiras!

Seguindo a onda do “Monovin”, o Glicopan PET (mesmo que com seu foco para utilização em animais) tem feito sucesso entre as blogueiras, que começaram a utiliza-lo nos cabelos como um concentrado que “ressuscita” os fios porosos e enfraquecidos por procedimentos químicos.

Ele é um complexo veterinário muito concentrado e composto por diversas vitaminas e 22 aminoácidos. Extremamente eficiente para tratamento de anemia e anorexia, é o produto mais indicado para controle de perda excessiva da massa muscular em animais. Age como suplementação de aminoácidos e vitaminas do Complexo B para caninos, felinos, aves, mustelídeos, répteis e roedores, auxilia na melhora do estado em geral, em animais com alguma deficiência nutricional. O concentrado auxilia no estímulo do apetite e energia, inclusive indicado para preparação de animais para exposição ou em recuperação. É indicado pra ser ministrado via oral, adicionando-o no alimento ou na água.

Por estar em alta, tem gerado polêmica pelos resultados que tem trazido, pois hora salva cabelos extremamente danificados, hora pesa cabelos saudáveis. Seus aminoácidos ajudam no fortalecimento, resistência, elasticidade, hidratação, crescimento, formação de colágeno e melanina, brilho, reposição de queratina, alinhamento do fio, maciez e penteabilidade.

 

A importância da Queratina

Para que fique mais claro como esse produto age na fibra capilar, vamos falar um pouco sobre biologia: Nosso cabelo, pelos e unhas são formados pela queratina, uma proteína que é produzida naturalmente pelo organismo através de uma complexa cadeia de aminoácidos. Quando mantida em seu nível equilibrado e saudável, temos todas essas áreas onde a encontramos, no caso das unhas, firmes e saudáveis e nos cabelos e pelos, brilhantes, resistentes e sedosos.

 

Como age o Glicopan PET?

Quando há a sorte do produto funcionar bem e o cabelo reagir de forma positiva, atua como um excelente reconstrutor, sendo a salvação para o cabelo elástico ou com as pontas destruídas. Resolve instantaneamente problemas como pontas espigadas, duplas ou secas. Confere super-hidratação, contribuindo também para o crescimento dos fios. O resultado são cabelos restaurados, hidratados, sedosos e brilhantes, com as fibras bem alinhadas e com frizz reduzido.

 

Se ele é tão bom, então por que não devemos utilizá-lo como cosmético capilar?

  1. De nenhuma forma pode ser aplicado em cabelos e saudáveis, pois o resultado pode ser um excesso tão grande, que a queda se torna consequência certa.
  2. Pode haver o surgimento de alergias ou mesmo acne no couro cabeludo, uma vez que não é um produto dermatologicamente testado em humanos.
  3. Seu odor é forte e incômodo (azedo). Alguns afirmam que cheira a ração estragada e se fixa facilmente no cabelo, se mantendo mesmo depois de muitas lavagens. Outro motivo é o fato de ser um líquido alaranjado escuro, que em cabelos muito claros, causa amarelamento, que se agrava quando utilizado puro.
  4. Pessoas relatam que o cabelo que já estava elástico, virou um “chiclete”, assim como houveram pessoas que tiveram quebra e queda acentuada após o uso. Houve ainda quem teve problemas de saúde com o uso contínuo ou mulheres que ficaram com a menstruação desregulada.
  5. Dermatologistas afirmam que as doses de vitaminas necessárias aos animais são muito diferentes das necessárias ao ser humano, isso por si só já justifica sua não utilização.

Deixe uma resposta